Servidores do Primeiro Grau farão ato público de apoio ao projeto da isonomia, destacado pelo Comitê Gestor Regional como altamente prioritário

Durante a assembleia geral realizada no último sábado, 14, no Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário, os servidores se reuniram no intuito de aprofundar o debate sobre o que vem sendo deliberado no projeto denominado “paridade de vencimentos e remunerações”.
O projeto tem por finalidade o aprofundamento do estudo sobre o tema, bem como a apresentação da melhor solução encontrada por seus membros para acabar com a distinção salarial verificada há anos entre servidores dos dois quadros.
Não obstante a isonomia tenha sido elencada pelo Comitê Gestor Regional como ação fundamental para a priorização do Primeiro Grau de Jurisdição, os servidores Daieniffer Cherini, José Otávio Padilha e Patrícia Elache Gonçalves dos Reis, membros da equipe de projeto, puderam expor aos presentes os diversos tipos de dificuldades enfrentadas durante os trabalhos, a partir do que os servidores viram a necessidade de, mais uma vez, reiterar publicamente o desejo e a importância da isonomia.
Para tanto, definiram a realização de diversas ações no mesmo sentido, como a colheita de assinaturas no abaixo assinado pela isonomia, o lançamento da campanha pelo cumprimento do prazo de 180 dias para a unificação de carreiras, determinado pelo Conselho Nacional de Justiça na Resolução n.º 219/2016, a elaboração de um seminário para debater os principais pontos desta resolução e a organização de um ato público de apoio ao projeto da isonomia.
O ato público está marcado para a próxima sexta-feira, as 18 horas, em frente ao prédio anexo do Tribunal de Justiça do Paraná, onde todos os servidores das diversas comarcas do Estado devem se reunir em apoio ao projeto da isonomia. Em seguida, as 19h30, terá início, na sede urbana do Sindicato dos Servidores, o primeiro seminário sobre a isonomia, no qual os servidores terão a oportunidade de conhecer detalhes do projeto, como as deliberações feitas em reunião, os dados apresentados pelos departamentos e os primeiros cálculos sobre o custo da isonomia, bem como sobre a capacidade de sua absorção no orçamento do Poder Judiciário.
É de fundamental importância a sua participação neste momento crucial da luta pela principal demanda dos servidores!

Compartilhar:

2 Comentários

  • Patrícia Elache Gonçalves dos Reis 19 de maio de 2016 19:21

    Padilha, com todo o respeito, considero que a notícia foi bem clara ao colocar qual foi a sua participação no evento. A sua fala foi a primeira e limitou-se a expor o histórico de instalação e funcionamento do CGR, bem como o conteúdo e o “andar” do projeto da isonomia, com alguma crítica, claro, porém merecida pelo Tribunal. As coisas não vão bem e eu e a Daieniffer pudemos ser mais incisivas nesse ponto. É justamente por isso, inclusive, que iremos ao CNJ no dia 10/06 (opa, vamos esclarecer, a Anjud e o Sindijus, pra vc não tem lugar no avião rsrsrs). Feito isso você foi embora, nem estava lá na hora dos encaminhamentos, deliberação e votação, por isso não vejo motivo para preocupação ou especulação sobre se você contribuiu ou não com as definições, está bem óbvio no texto que não, nesta hora você já estava bem longe, imagino. Um abraço!

  • José Otávio Padilha 19 de maio de 2016 17:39

    Esclareço que não participei de qualquer discussão e tampouco deliberação de estratégias de ação na assembleia do último dia 14/05/2016 na sede do Sindijus-PR, até mesmo porque tais discussões e deliberações são prerrogativas do exercício da atividade sindical e associativa. Participei apenas da primeira hora da assembleia, na condição de membro do Comitê Gestor Regional e representante eleito dos servidores, oportunidade em que prestei informações sobre as ações desenvolvidas pelo Comitê e as dificuldades enfrentadas na discussão dos projetos. 

3 × dois =